Movimento Esquerda Socialista (MES/PSOL) MES MES: Movimento Esquerda Socialista

PRECISAMOS FALAR SOBRE A CULTURA DO ESTUPRO

Por: JUNTAS

A cultura do estupro está nas ruas, nos assédios, nas músicas, no cinema, na publicidade, na mídia, na pornografia, em todas as formas de perpetuação e naturalização da violência contra a mulher. No Brasil, 130 mulheres são estupradas por dia e cerca de 0,26% da nossa população sofre violência sexual, o que indica que haja anualmente 527 mil tentativas ou casos de estupros consumados no país, dos quais só 10% são reportados às autoridades. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, o número de estupros no Brasil subiu 18,17% em 2012, na comparação com o ano anterior.

Cotidianamente as mulheres convivem com o medo gerado pelo feminicídio (morte de mulheres motivados por misoginia, ódio e sentimento de posse sobre as mulheres), que atravessa nossas vidas em todos os espaços: a casa, as vielas, a rua, o ônibus, o trabalho, as relações, sua identidade.

Mesmo assim vivemos também a violência de nos negarem a legitimidade do nosso medo, com falas que reforçam lugares de objeto, o da culpa, o da punição. O acesso aos nossos corpos é naturalizado no assédio daqueles que os entendem como públicos e disponíveis.

Essa cultura doente que subjuga a mulher é tão instalada na sociedade que homens agressores se sentem na liberdade de publicamente, na mídia e nos veículos de humor colocar a violência como piada ou troféu. As mulheres combateram nas redes e nas ruas figuras televisivas como Rafinha Bastos e Daniel Gentilli que deram declarações absurdas em seus programas naturalizando o estupro, e ainda Alexandre Frota que confessou ser estuprador e hoje se reuniu com o Ministério da Educação do Governo Temer.

Hoje vimos mais uma tragédia no Rio de Janeiro, que em uma rede social massiva como o Twitter um criminoso divulga vídeo junto com outros diversos agressores expondo o corpo da vítima dopada e se vangloriando, em meio a risadas e declarações grotestas.
No Rio de Janeiro das Olimpíadas e que tem como candidato à prefeitura também um agressor, Pedro Paulo, ocorreu o caso que vai marcar com horror a vida de uma mulher, uma geração de mulheres.
Não há justiça capaz de responder essa agressão, mas haverá luta para que todos sejam punidos e que a cultura do estupro e o feminicídio acabem!

Eu luto pelo fim da cultura do estupro!

Por todas as vítimas! Por todas nós.

ATO POR TODAS ELAS – dia 01/06 – 16h – Cinelândia
https://www.facebook.com/events/1752031391678244/1752068251674558/?notif_t=admin_plan_mall_activity&notif_id=1464231730498377

Twitbon Eu luto pelo fim da cultura do estupro! –
http://twibbon.com/Support/fim-da-cultura-do-estupro

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Esta é uma edição especial de nossa Revista Movimento. Como forma de contribuir para os debates que ocorrerão na VI Conferência Nacional de nossa corrente, o Movimento Esquerda Socialista, este volume reúne dois números da revista (7 e 8). Dessa forma, pretendemos oferecer à militância e a nossos aliados e leitores documentos que constam do temário oficial do evento, bem como materiais que possam subsidiar as discussões que se realizarão. Na expectativa de uma VI Conferência de debates proveitosos para nossa corrente, desejamos a todas e todos uma boa leitura deste volume!

Solzinho