Movimento Esquerda Socialista (MES/PSOL) MES MES: Movimento Esquerda Socialista

Operários do Comperj farão caravana a Brasília pelo pagamento de salários e direitos trabalhistas

Os trabalhadores do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) irão a Brasília na próxima semana para reivindicar que o governo intervenha na negociação entre trabalhadores e Alumini Engenharia, contratada da Petrobras. A empresa está há três meses sem pagar os salários dos funcionários contratados e rescisões trabalhistas de operários demitidos.

Os trabalhadores decidiram intensificar as ações e acionar a esfera federal, em reunião realizada na quinta-feira (20), em que participaram entidades, entre elas a CSP-Conlutas, bem como sindicatos apoiadores e parlamentares.

A Petrobras recorreu da ação trabalhista do Ministério Público do Trabalho do Rio de Janeiro que dava ganho de causa aos trabalhadores e obrigava a empresa a pagar o valor devido.

O objetivo dos trabalhadores é abrir negociação na Casa Civil com a presidente Dilma Rousseff e o secretário-geral da Presidência da República Miguel Soldatelli Rossetto, para que intervenha no caso.

De acordo com o membro da CSP-Conlutas Rio de Janeiro, Julio Condaque, os trabalhadores reafirmaram que vão continuar a lutar até que seus direitos sejam pagos. “Os operários não vão pagar pela crise. Se o governo federal liberou verbas do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento] para salvar as empreiteiras falidas, tem que arrumar recursos para pagar os trabalhadores”, frisou.

“A luta dos trabalhadores do Comperj pode ser vitoriosa se unirmos forças até termos uma solução digna para os operários e seus familiares”, completou, reforçando que é preciso continuar com a campanha financeira e de apoio a esses trabalhadores. (sabia mais aqui)

Para Julio, essa resistência faz parte de uma reação de toda a classe trabalhadora contra os diversos ataques aos direitos. Por isso, diz que é preciso unidade e fortalecimento dos fóruns de lutas. “A exemplo do espaço de unidade de ação e mobilizações dos servidores públicos federais”, reforça.

Outras ações

Além da caravana, foi aprovada continuidade da solidariedade aos trabalhadores do Comperj e a ampliação dessa luta para outras categorias que também estão passando pela mesma situação.

Como parte da campanha, está sendo elaborando uma carta à presidente Dilma Rousseff com as denúncias e exigências dos trabalhadores. Outra orientação é ampliar a divulgação dessa luta nas redes sociais.

Foi aprovada uma comissão de mobilização e finanças, e a participação dem atos unitários contra os ataques aos direitos dos trabalhadores.

No dia 25, às 14h, haverá assembleia no Sindpetro RJ para avaliar os encaminhamentos das negociações em Brasília; no dia 26, ocorre a plenária do S.O.S Comperj contra as demissões e por trabalho, às 18h, com a participação de dirigentes das centrais e parlamentares.

“Essa é uma obra federal, por isso a presidente tem sua responsabilidade com o caos que esses operários e suas famílias estão passando”, disse um ativista da central que estava presente na reunião.

Fonte: CSP-Conlutas

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Apresentamos uma revista especial sobre os 50 anos do Maio de 1968 com o orgulho de herdar uma tradição. Assim como a Comuna de 1871, a Revolução Russa de 1917 e as lutas contra as ditaduras na América Latina, consideramo-nos parte deste excepcional movimento mundial de luta política, protagonizado por jovens e
trabalhadores de várias partes do mundo, como nas famosas barricadas de Paris. Consideramos suas lições e sua potência como atuais. Boa parte dos leitores da Revista Movimento participaram ativamente das Jornadas de Junho de 2013 em nosso país. Aos cinco anos deste acontecimento, queremos contribuir para o encontro e a síntese de tão distantes e ao mesmo tempo tão próximas gerações.

Solzinho