Movimento Esquerda Socialista (MES/PSOL) MES MES: Movimento Esquerda Socialista

O Parlamento grego cria uma comissão internacional para auditar a dívida pública

A presidenta do Parlamento grego, Zoé Constandopulu, anunciou a criação de uma comissão internacional de especialistas que levará a cabo uma auditoria da dívida pública  e será coordenada pelo cientista político belga Éric Toussaint.
Constandopulu  destacou em coletiva de imprensa que Grécia deve realizar uma auditoria de sua dívida “para saber que parte desta dívida foi utilizada para o bem comum e portanto, é legal e deve ser paga, e que parte foi mal-gasta e, portanto, é ilegal”.
A presidenta do Parlamento assinala que a auditoria da dívida “é um dever para as gerações futuras, porque terão que pagar sem ter nenhuma responsabilidade”.
Éric Toussaint, porta-voz do Comitê para a Anulação da Dívida do Terceiro Mundo, se pergunta se no momento da assinatura do primeiro e o segundo plano de resgaste na Grécia se levaram em conta “as disposições da Constituição grega, do Tratado de Lisboa e das constituições dos estados-membros que emprestaram 153 bilhões de euros para a Grécia”.
Os contratos fraudulentos são dívida ilegal
O conhecido cientista política considera que os créditos para pagar contratos que se demonstraram que são fraudulentos, como os da multinacional alemã Siemens, fazem parte do que seria dívida ilegal.
Toussauint assegura que a comissão de auditoria levará também em conta “os informes da Comissão dos Direitos Humanos do Conselho de Europa sobre as consequências dos programas de resgate em matéria de Direitos Humanos na Grécia”.
A comissão de especialistas começará a trabalhar no começo de abril e apresentará seu informe no final de junho em uma conferência internacional sobre a dívida. A apresentação das conclusões desta auditoria coincide, segundo Constandopulu, com o pagamento, no início de julho, de uma parcela do resgate do Banco Central Europeu.
“Trata-se da primeira comissão de auditoria de dívida que se forma na Europa”, sublinha a eurodeputada de Syriza Sofía Sakorafa, que será a encarregada de comunicar a Bruxelas as conclusões desta análise.
Sobre o que fará a comissão se uma parte da dívida é declara ilegal, Constandopulu assegura que as conclusões serão postas a disposição do “Parlamento, o Governo e a Justiça”, que “cumprirão seu dever”.
O principal argumento do Governo de Alexis Tsipras é que a dívida grega, tal como é agora, não é viável.
Fonte: http://www.anticapitalistas.org/spip.php?article30352

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

A décima terceira edição da Revista Movimento dedica-se ao debate sobre os desafios da esquerda socialista no Brasil diante da crise nacional que se desenrola há anos e do governo Bolsonaro. Para tanto, foram convidados dirigentes do PSOL, do MES e de outras organizações revolucionárias que atuam no partido. O dossiê sobre a estratégia da esquerda e o PSOL reflete os desafios da organização de um polo socialista no interior do partido. Há também, na seção nacional, reflexões sobre a crise econômica brasileira, as revelações de The Intercept e as lutas da juventude e da negritude. As efemérides do centenário da escola Bauhaus e do cinquentenário do levante de Stonewall também aparecem no volume, além da tese das mulheres do MES para o Encontro de Mulheres do PSOL.

Solzinho