Movimento Esquerda Socialista (MES/PSOL) MES MES: Movimento Esquerda Socialista

Não é possível ser a favor do PMDB e contra a corrupção

Por Felipe Ultramari Moreira

Há no PT uma síndrome de casta, cujos efeitos são a prepotência e a alienação. A crise, que com os protestos do dia 15 parece irremediavelmente grave, se arrasta desde ao menos junho de 2013 e a ela o governismo acenou com as soluções mais variadas, na prática sempre dentro de um espectro conservador, mas na retórica usando elementos da simbologia associada à história do petismo.

A semana começou com um gesto ao PMDB, fiador importante do tipo de governabilidade à qual pretendem. Ao que parece sob orientação de Lula resolveu-se ceder espaço ao PMDB, lhe atribuindo poder e ministérios de “porteira fechada”. Ela termina com o anúncio de um pacote de medidas para combater a corrupção, no que supõe atender à reivindicação de centenas de milhares que foram às ruas pedindo o impeachment da presidenta.

A suposição de que se pode ser a favor do PMDB e contra a corrupção revelam o que pensa o governo. Seguem achando que resolverão a crise política com um exercício de retórica. Que podem dissimular suas posições, mantendo os esquemas de corrupção instalados nos mais diversos ministérios e dizer que esse é o governo que mais investigou e puniu na história do país. Seguem a farsa, achando que o espetáculo no qual o povo só assistia continua. As ruas mostram o contrário. O tempo da casta acabou, só a prepotência e alienação a sustentam. Não é possível ser a favor do PMDB e contra a corrupção.

Felipe Ultramari Moreira é militante do MES/PSOL do Rio Grande do Norte

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Apresentamos uma revista especial sobre os 50 anos do Maio de 1968 com o orgulho de herdar uma tradição. Assim como a Comuna de 1871, a Revolução Russa de 1917 e as lutas contra as ditaduras na América Latina, consideramo-nos parte deste excepcional movimento mundial de luta política, protagonizado por jovens e
trabalhadores de várias partes do mundo, como nas famosas barricadas de Paris. Consideramos suas lições e sua potência como atuais. Boa parte dos leitores da Revista Movimento participaram ativamente das Jornadas de Junho de 2013 em nosso país. Aos cinco anos deste acontecimento, queremos contribuir para o encontro e a síntese de tão distantes e ao mesmo tempo tão próximas gerações.

Solzinho