Movimento Esquerda Socialista (MES/PSOL) MES MES: Movimento Esquerda Socialista

Lula, o cerberus da política brasileira

Por Edemilson Paraná

As crises, como soube demonstrar de modo didático o velho Marx, têm a trágica dádiva de separar o real do ilusório, trazendo à superfície o que estava encoberto sob a aparência de normalidade. Se já não esteve suficientemente evidente ao longo de sua trajetória política, em especial nos últimos 13 anos, o momento difícil pelo qual passa o país atualmente, desnuda com especial clareza o papel de um importante ator na cena política brasileira: Lula.

Poucas dúvidas restam quanto à sua disposição para voltar ao centro da disputa eleitoral em 2018. E não se trata apenas de vontade pessoal. Seu partido não tem outra opção. Emparedado pela conjuntura, tendo de gestar à duras penas um pacto político-social que desmorona; apenas assentado no incomparável carisma, influência e habilidade política de seu líder histórico, o Partido dos Trabalhadores tem alguma chance de concorrer de modo competitivo à Presidência. Pudera. Em volta do ex-presidente nada, nenhuma alternativa real, pode de fato surgir e florescer no interior do PT. É a própria monumentalidade de Lula – como gestor habilidoso de interesses hegemônicos – que também impede a produção do novo em seu interior.

Eis a maldição do bonapartismo lulista: se é verdade que o PT não pode ser concebido atualmente sem ele, é igualmente verdadeiro que tudo em que o ex-presidente toca acaba por morrer cedo ou tarde. Em seu nome – que ao longo dos anos deixou de ser meio para se tornar o próprio fim da política petista, como metonímia da busca pela manutenção do poder à qualquer custo, tombaram quadros históricos, e é sobretudo em seu entorno que se articula a blindagem que ora assistimos no âmbito da Operação Lava Jato. Aponta-se, dessa forma, uma amarga contradição: como sinônimo de sua salvação, Lula é o maior agente da atual desgraça petista.

Nos últimos meses, sua condição de cerberus da política brasileira desnudou-se com eloquência. De modo veloz, quase ansioso, nas mil rotações por minuto que exigem a gestão de qualquer crise, Lula se fez tricéfalo. Como generoso agente da banca, enquanto silenciava sobre a criminosa evasão de divisas de ricaços brasileiros no HSBC suíço – muitos deles financiadores de campanhas eleitorais, “enquadrou” seu partido para que aceitasse, sem grita, as medidas de ajuste e austeridade levadas à cabo pelo “Chicago boy” e ex-FMI Joaquim Levy. Não é demais lembrar que, nas últimas eleições, entre os agitadores do “volta Lula” nos bastidores estiveram proeminentes representantes de grandes instituições financeiras. Igualmente, como interlocutor junto ao mais atrelado ao Estado dos setores da indústria produtiva no Brasil, achegou-se das empreiteiras, em especial da Odebrecht, nos jatinhos de quem, sabemos, o ex-presidente é presença cativa. Por fim, posou em abraço com Guilherme Boulos do MTST na entrega de casas do programa Minha Casa Minha Vida, subiu em palanques com sindicalistas em “defesa” da Petrobras e convocou o MST – o “exército de João Pedro Stédile” – para a “guerra”.

Em nome de quem combate o cerberus Lula? De que lado está? Dos bancos, do capital produtivo e das empreiteiras, ou dos movimentos sociais? Talvez acredite, como antes, ser possível agradar a todos. Há, no entanto, evidentes contradições de interesses entre tais setores, especialmente agora. Em tempos de aperto, de recrudescimento dos antagonismos econômicos, políticos e sociais, em quais saídas apostará realmente? Qual de suas cabeças diz a verdade, por meio de qual delas mente e confunde?

Por mais curioso que pareça, a resposta não pode ser outra: em todas e em nenhuma delas. É  justamente essa aparente “ambiguidade” que faz de Lula e do PT o que são: o encantamento fatal, como um pêndulo, do mito em torno da eterna e irremediável “contradição”, da figura, do partido e do governo para sempre “em disputa”, ainda que mantendo, ao fim e ao cabo, e de modo indefinido, intocada a grave estrutura econômica e social do país. É, pois, falando, ao mesmo tempo, para todos esses setores e para nenhum deles que Lula habilmente mantém-se como o coringa da política brasileira, a carta na manga a ser utilizada no momento necessário.

O plano, como metonímia da própria trajetória dos governos petistas anteriores, está traçado: dois anos de duro ajuste econômico e concessões à banca, dois anos de acenos ao setor produtivo e movimentos sociais. Aumento de popularidade. Manutenção no poder. Tudo muda para permanecer exatamente como antes. Mas os tempos são outros. Nenhuma fórmula é eterna e o mar não está para peixe. Pouca coisa indica que tal aposta será bem-sucedida novamente. Em tempos extremos, alguém terá de ceder. É também por isso que a cabeça (ou as cabeças) de Lula é o prêmio mais desejado pela oposição à direita, tão bem vocalizada nos microfones na mídia oligopolista. Por mais previsível que a aposta pareça a se julgar pelo passado recente, ninguém quer aceitar mais o risco de pagar para ver. A verdade é que, ainda que isso as tenha favorecido de modo notável, as elites brasileiras, em especial a financeira, cansaram-se de conversar com um bicho de três cabeças, querem uma cabeça só: a sua própria cabeça.

Diante desse emparedamento, algo parece claro: desejando-as genuinamente ou não, Lula e o PT já mostraram que estão dispostos a sacrificar pouco ou quase nada pelas ditas “reformas estruturais”, tão necessárias para o superar o círculo vicioso de dependência, vulnerabilidade e subdesenvolvimento em que historicamente estamos aprisionados. A “Frente de lutas pelas reformas estruturais”, salutar iniciativa que ora se desenha com a participação de partidos de esquerda, sindicados e movimentos sociais corre, portanto, sério risco de ser capturada, simbólica ou faticamente, como trincheira de defesa de um governo desgastado ou como mais um palanque para promessas eleitorais vazias, novamente traídas. É o que quer o lulismo.

Quanto aos rumos da esquerda de fato diante dessa eterna espera por Godot, o outro lado do Atlântico tem fornecido algumas boas dicas: “que se vayan todos”. Já cruzamos o limite do absurdo. A direita neoliberal, e as velhas “esquerdas” que, no governo, aplicam de modo análogo seu pacote de maldades devem ser tratadas igualmente e não como diferentes faces de um “mal menor” nas bordas do atual arranjo de poder. Precisamos, com diálogo verdadeiro e sem sectarismos, mostrar à sociedade brasileira que há saídas reais, concretas e sólidas à esquerda da ordem para o atoleiro em que estamos metidos, alternativas que coloquem as pessoas e as necessidades sociais em seu centro, que façam os que tem muito retornar o que obtiverem da sociedade em prol dos quem tem menos e que, ao contrário daqueles, sempre pagam a conta dos “momentos difíceis” do país desde o seu início. Por mais que um suposto senso de “responsabilidade histórica” tenha eventualmente nos colocado no mesmo palanque de cerberus quaisquer, neste momento a política e a população  brasileira pedem distinções claras. Já passou da hora de sermos apenas uma voz, forte e uníssona: a voz dissonante.

***

Edemilson Paraná é jornalista, mestre e doutorando em Sociologia pela Universidade de Brasília.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Na quinta edição da Revista Movimento, trazemos ao público um especial sobre a crise brasileira. Nele, publicamos longa entrevista com o economista Plinio Sampaio Jr., que oferece instigante diagnóstico do fracasso da política econômica conduzida pelos governos do PT. Fecham a seção dois artigos sobre o poder das corporações no capitalismo global e a teia corrupta que estabelecem com Estados e governos. Um conjunto de artigos sobre a situação internacional aborda as dificuldades enfrentadas pelo governo Trump, a crise na Venezuela e o avanço das lutas no Peru.

Abaporu

Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky

Leon Trotsky Joseph Stalin