Movimento Esquerda Socialista (MES/PSOL) MES MES: Movimento Esquerda Socialista

Por Stathis Kouvelakis.

Traduzido por  Coletivo de tradutores Vila Vudu

Nas primeiras horas da manhã de hoje, 25 deputados do SYRIZA deixaram o grupo parlamentar de seu partido para criar novo grupo, sob a denominação de “Unidade Popular”. A maior parte desses deputados são afiliados à plataforma de esquerda, mas outros também se uniram, como Vangelis Diamantopoulos ou Rachel Makri, colaboradora próxima de Zoe Kostantopoulou.

É importante evento na política grega, mas também para a esquerda radical, na Grécia e no plano internacional.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_11314.jpg

Três elementos devem ser destacados.

Primeiro, que “Unidade Popular” é a denominação da nova frente política que reagrupará 13 organizações da esquerda radical que assinaram o documento de 13 de agosto que propõe que se constitua a Frente do Não. Essa Frente é, pois, o primeiro resultado concreto de uma recomposição no seio da esquerda radical grega. É recomposição que recolhe lições dos últimos cinco anos, e, claro, da experiência do Syriza no poder e da catástrofe que daí resultou. Mas o objetivo da Frente é mais amplo: trata-se de dar expressão a forças sociais que não necessariamente se reconhecem como parte da Esquerda, mas que querem combater o arrocho, os Memorandos  e o “poder da Troika reloadeddo novo Memorando.

Segundo, que o objetivo da Frente é constituir a expressão política do Não, como se manifestou nas eleições de janeiro e depois do referendum de 5 de julho.

As principais linhas programáticas são: ruptura com a austeridade e os Memorandos; rejeição de todas as privatizações e nacionalização, sob controle social, dos setores estratégicos da economia, a começar pelo sistema bancário; e, em termos mais amplos, um conjunto de medidas radicais, que farão pender o equilíbrio de forças a favor do trabalho e das classes populares e que abrirá caminho para a reconstrução progressista do país, de sua economia e de suas instituições.

Esses objetivos não se podem realizar sem sair da Eurozona, como a catástrofe recente já o demonstrou abundantemente, e sem romper com o conjunto das políticas institucionalizadas pela União Europeia. A Frente também lutará por um combate internacionalista unitário em torno de objetivos comuns em escala europeia e internacional, e apoiará: a saída do país, da OTAN; a ruptura dos acordos existentes entre Grécia e Israel; e a oposição radical às guerras e intervenções imperialistas. Esse programa transicional situa-se na perspectiva do socialismo do século 21.

Terceiro, o novo grupo parlamentar é agora o terceiro, em número de votos, no Parlamento Grego, maior que “Aurora Dourada”, o partido neonazista. Significa que, nos próximos dias, o dirigente da Frente do Não, Panagiotis Lafazanis, terá mandato para constituir governo que durará três dias, como o determina a Constituição grega. Depois da queda do governo Tsipras, esse mandato está agora entregue ao segundo partido do Parlamento, “Nova Democracia”, o principal partido de oposição de direita. Esse tempo será usado pela Unidade Popular para lançar vasto debate e mobilizar todas as forças sociais que queiram combater o arrocho e os Memorandos, os anteriores e o recente.

O programa do partido e o conjunto de seus apoiadores entre as personalidades da esquerda grega que é lista realmente impressionante, serão divulgados na próxima semana

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_11313.jpg

 

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

A décima terceira edição da Revista Movimento dedica-se ao debate sobre os desafios da esquerda socialista no Brasil diante da crise nacional que se desenrola há anos e do governo Bolsonaro. Para tanto, foram convidados dirigentes do PSOL, do MES e de outras organizações revolucionárias que atuam no partido. O dossiê sobre a estratégia da esquerda e o PSOL reflete os desafios da organização de um polo socialista no interior do partido. Há também, na seção nacional, reflexões sobre a crise econômica brasileira, as revelações de The Intercept e as lutas da juventude e da negritude. As efemérides do centenário da escola Bauhaus e do cinquentenário do levante de Stonewall também aparecem no volume, além da tese das mulheres do MES para o Encontro de Mulheres do PSOL.

Solzinho