Movimento Esquerda Socialista (MES/PSOL) MES MES: Movimento Esquerda Socialista

Por Stathis Kouvelakis.

Traduzido por  Coletivo de tradutores Vila Vudu

Nas primeiras horas da manhã de hoje, 25 deputados do SYRIZA deixaram o grupo parlamentar de seu partido para criar novo grupo, sob a denominação de “Unidade Popular”. A maior parte desses deputados são afiliados à plataforma de esquerda, mas outros também se uniram, como Vangelis Diamantopoulos ou Rachel Makri, colaboradora próxima de Zoe Kostantopoulou.

É importante evento na política grega, mas também para a esquerda radical, na Grécia e no plano internacional.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_11314.jpg

Três elementos devem ser destacados.

Primeiro, que “Unidade Popular” é a denominação da nova frente política que reagrupará 13 organizações da esquerda radical que assinaram o documento de 13 de agosto que propõe que se constitua a Frente do Não. Essa Frente é, pois, o primeiro resultado concreto de uma recomposição no seio da esquerda radical grega. É recomposição que recolhe lições dos últimos cinco anos, e, claro, da experiência do Syriza no poder e da catástrofe que daí resultou. Mas o objetivo da Frente é mais amplo: trata-se de dar expressão a forças sociais que não necessariamente se reconhecem como parte da Esquerda, mas que querem combater o arrocho, os Memorandos  e o “poder da Troika reloadeddo novo Memorando.

Segundo, que o objetivo da Frente é constituir a expressão política do Não, como se manifestou nas eleições de janeiro e depois do referendum de 5 de julho.

As principais linhas programáticas são: ruptura com a austeridade e os Memorandos; rejeição de todas as privatizações e nacionalização, sob controle social, dos setores estratégicos da economia, a começar pelo sistema bancário; e, em termos mais amplos, um conjunto de medidas radicais, que farão pender o equilíbrio de forças a favor do trabalho e das classes populares e que abrirá caminho para a reconstrução progressista do país, de sua economia e de suas instituições.

Esses objetivos não se podem realizar sem sair da Eurozona, como a catástrofe recente já o demonstrou abundantemente, e sem romper com o conjunto das políticas institucionalizadas pela União Europeia. A Frente também lutará por um combate internacionalista unitário em torno de objetivos comuns em escala europeia e internacional, e apoiará: a saída do país, da OTAN; a ruptura dos acordos existentes entre Grécia e Israel; e a oposição radical às guerras e intervenções imperialistas. Esse programa transicional situa-se na perspectiva do socialismo do século 21.

Terceiro, o novo grupo parlamentar é agora o terceiro, em número de votos, no Parlamento Grego, maior que “Aurora Dourada”, o partido neonazista. Significa que, nos próximos dias, o dirigente da Frente do Não, Panagiotis Lafazanis, terá mandato para constituir governo que durará três dias, como o determina a Constituição grega. Depois da queda do governo Tsipras, esse mandato está agora entregue ao segundo partido do Parlamento, “Nova Democracia”, o principal partido de oposição de direita. Esse tempo será usado pela Unidade Popular para lançar vasto debate e mobilizar todas as forças sociais que queiram combater o arrocho e os Memorandos, os anteriores e o recente.

O programa do partido e o conjunto de seus apoiadores entre as personalidades da esquerda grega que é lista realmente impressionante, serão divulgados na próxima semana

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_11313.jpg

 

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Publicamos a décima edição de nossa Revista Movimento. Dessa vez, celebramos os 80 anos de fundação da IV Internacional, comemorados em setembro de 2018, com uma seção especial. Há, também, artigos na seção internacional e de teoria. Fechamos esta edição quando a eleição brasileira se encerrava. Como não poderia deixar de ser, nesta décima edição de Movimento, apresentamos nossas primeiras análises sobre os resultados eleitorais. Sabemos que a vitória de Jair Bolsonaro trará graves ataques à classe trabalhadora e ao povo brasileiro. Estaremos com nosso povo, lutando em defesa das liberdades democráticas e de nossos direitos. Mais uma vez, esperamos que a revista seja uma ferramenta útil de construção e formação para nossos camaradas. Boa leitura!

Solzinho