Movimento Esquerda Socialista (MES/PSOL) MES MES: Movimento Esquerda Socialista

por Giulia Tadini –  MES/DF

eu-daniel-blakeTrago a referência ao filme Eu,Daniel Blake por dois motivos. Carlos é um aposentado que estava lutando contra as reformas trabalhista e da previdência na Esplanada dos Ministérios no dia 24 de maio. Mesmo já tendo se aponsentado, estava na luta, para que pessoas como eu e você tivéssemos o mesmo direito. Certamente é uma pessoa generosa.

Em segundo lugar, não posso deixar de registrar a questão da burocracia. Até hoje, os familiares e dirigentes sindicais de MG tinham dificuldades de obter informações mais claras sobre o estado de saúde de Carlos. Assim como eu ou você, os filhos de Carlos não tem segurança com a linguagem técnica dos médicos, toda cifrada e codificada.

Eu, Carlos Cirilo

Hoje li abismada que a PM do DF está fazendo vista grossa por caso. Cabe questionar se foi um ato isolado dos policiais ou uma orientação do comando. De qualquer forma, cabe investigação, identificação, afastamento imediato e punição aos responsáveis.

É urgente que o GDF se pronuncie se comprometendo a proibir o uso de armas letais nos protestos. Nada menos.
Enfim, saio do dia do hoje com a certeza que Carlos é um herói. Um anônimo que sempre lutou pelos direitos dos trabalhadores, envolvido na causa sindical. Um homem que buscou estar em um ato em Brasília. Cada vez mais, neste mundo em crise, com políticas de austeridade, desmonte das políticas sociais, teremos mais herois assim. Que se dispoẽm a serem generosos e a lutar pelo que acreditam que é justo.
Todos que defendem o direito democrático à manifestação devem se unir em uma campanha contra o aumento da ação repressiva. Solidariedade à Carlos e todos os feridos e seus familiares.

ASSISTA: Vídeo mostra os policiais utilizando armas letais e o momento em que Carlos foi atendido.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Apresentamos uma revista especial sobre os 50 anos do Maio de 1968 com o orgulho de herdar uma tradição. Assim como a Comuna de 1871, a Revolução Russa de 1917 e as lutas contra as ditaduras na América Latina, consideramo-nos parte deste excepcional movimento mundial de luta política, protagonizado por jovens e
trabalhadores de várias partes do mundo, como nas famosas barricadas de Paris. Consideramos suas lições e sua potência como atuais. Boa parte dos leitores da Revista Movimento participaram ativamente das Jornadas de Junho de 2013 em nosso país. Aos cinco anos deste acontecimento, queremos contribuir para o encontro e a síntese de tão distantes e ao mesmo tempo tão próximas gerações.

Solzinho