Movimento Esquerda Socialista (MES/PSOL) MES MES: Movimento Esquerda Socialista

Arranca a campanha salarial dos metroviários de SP

Felipe Bisulli, Metroviário e militante do MES de SP

Terminada a primeira rodada da negociação da campanha salarial do metrô apenas uma certeza: a intransigência da empresa em relação às pautas dos metroviários. Desde o inicio com seguranças contratados para intimidar e barrar a entrada dos trabalhadores, passando pela restrição no numero de cadeiras na negociação(somente 25 enquanto temos 40 trabalhadores eleitos para comissão + 10 diretores liberados do sindicato) e o local de difícil acesso que nada tem a ver com as partes envolvidas.

Foi imposta uma primeira derrota, obrigando a retirar a segurança para que pudesse iniciar as negociações. Dentro da sala de reunião nenhuma novidade, a empresa negou todas propostas do sindicato, incluindo aumento real, deixando para depois o índice de reajuste, e ainda busca mudar termos como o a data da primeira parcela do 13º salário (de janeiro para junho), afirmando que no inicio do ano é o período mais complicado financeiramente para o metrô, mas se esquecendo que é justamente o momento mais difícil para os trabalhadores, com inúmeros impostos e gastos importantes.

Cada vez fica mais evidente a face-anti democrática da diretoria do Metrô a mando de Alckmin e PSDB. Somente com muita participação da categoria poderemos emparedar a empresa e arrancar nossas conquistas em 2015!

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais – artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista – com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho