Movimento Esquerda Socialista (MES/PSOL) MES MES: Movimento Esquerda Socialista

5º Congresso do PSOL Pernambuco demonstra avanço da pluralidade partidária diante da paralisia e luta pela democratização do Partido no Estado

O 5º Congresso estadual do PSOL em Pernambuco, realizado no dia 11 de Outubro, reafirmou o PSOL como espaço de reorganização da esquerda no Estado, pela primeira vez a chapa vencedora do congresso estadual não teve por volta de 90% do votos dos delegados. Ao alcançar 40% a chapa do Bloco Esquerda demonstrou que a base, de antigos filiados e principalmente os que se aproximaram do partido no ultimo período, entendem a necessidade de que o partido se democratize para que possa ser uma ferramenta politica plena, infelizmente no último ano o PSOL em Pernambuco foi tratado como uma extensão do mandato, que foi uma vitória coletiva do PSOL, mas que se tornou aparato e estrutura de apenas uma corrente, o SOMOS PSOL.

O espirito do congresso foi a luta pela democratização, ao apresentarmos, em conjunto com as outras forças do Bloco existentes em Pernambuco, resoluções para todos os temas do congresso, pautamos o debate do plenário, o congresso aprovou a unificação da nossa resolução de conjuntura estadual com a apresentada na tese do SOMOS PSOL, e incorporou pontos do nosso balanço do partido no Estado.

O manifesto ao PSOL, apresentado no inicio do período congressual, que foi duramente atacado pelo SOMOS PSOL, norteou o conteúdo das medidas de democratização apresentados pelo Bloco e aprovadas pelo congresso, cronograma de funcionamento de instâncias, democratização da comunicação partidária, foram as medidas concretas para transformar a plataforma do manifesto em aprofundamento e reafirmação do PSOL como anti capitalista e democrático.

A base deixou claro que não aceitará um partido que reuniu a executiva duas vezes em um ano, realizou apenas uma plenária estadual em 2015, passou 13 meses para reunir o Diretório Estadual, onde uma maioria aprova em nome das instâncias notas e resoluções sem que ocorram reuniões e que só se tornam de conhecimento dos membros das instâncias através da imprensa, onde as direções municipais de forma deliberada ficaram mais de uma ano sem registro oficial e onde um mandato tenta submeter o conjunto do partido ao seu funcionamento.
A resolução de que as plenárias congressuais serão os espaços respeitados para formação das direções municipais na forma estatutária e que as direções terão mandato e vigência de dois anos, aprovado por unanimidade deixou claro que o balanço negativo do acompanhamento da antiga direção aos municípios faria com que a resolução fosse aprovada com os votos da base do SOMOS PSOL, isso fez com que a resolução fosse aprovada consensualmente e encerrasse o discurso de que os municípios que não votassem com a maioria sofreriam intervenção.

A pluralidade, a independência do aparato, a necessidade do aprofundamento da democracia e a existência de vida orgânica, foram o que nortearam os debates congressuais em Pernambuco, o PSOL avança e cresce na militância cotidiana e independente de aparatos, a reorganização do Movimento Esquerda Socialista – MES foi elemento de muita importância, na ampliação do debate e diversidade do Partido do Estado.

Infelizmente o SOMOS PSOL segue em sua politica de atrofiar o PSOL e fortalecer projetos pessoais, se nega a aplicar o estatuto na ocupação dos cargos da executiva estadual, tentou o golpe de aplicar uma formula criada depois de estabelecida a proporcionalidade e criada de forma casuística para ser aplicada especificamente sobre os números de Pernambuco e impedir o compartilhamento da direção de forma democrática e na proporção estabelecida pelo congresso. Mais uma vez não aceitaremos e daremos a batalha que for necessária para garantir o respeito a democracia e o aprofundamento da pluralidade do PSOL em Pernambuco

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Publicamos a décima edição de nossa Revista Movimento. Dessa vez, celebramos os 80 anos de fundação da IV Internacional, comemorados em setembro de 2018, com uma seção especial. Há, também, artigos na seção internacional e de teoria. Fechamos esta edição quando a eleição brasileira se encerrava. Como não poderia deixar de ser, nesta décima edição de Movimento, apresentamos nossas primeiras análises sobre os resultados eleitorais. Sabemos que a vitória de Jair Bolsonaro trará graves ataques à classe trabalhadora e ao povo brasileiro. Estaremos com nosso povo, lutando em defesa das liberdades democráticas e de nossos direitos. Mais uma vez, esperamos que a revista seja uma ferramenta útil de construção e formação para nossos camaradas. Boa leitura!

Solzinho