Rio Grande do Sul Sindical

Eleições no SINDISAÚDE/RS : Vitória de Chapa 1 Podemos + Saúde é um marco contra as burocracias

Chapa 1 - Podemos + Saúde
Escrito por MES

Por Etevaldo Teixeira – Direção Estadual do MES/PSOL e Coordenador da Chapa 1- Podemos+Saúde

O SINDISAÚDE é um dos maiores sindicatos do Rio Grande do Sul, perdendo apenas para o CPERS Sindicato. As eleições ocorreram nos dias 24,25 e 26 de agosto, em mais de 50 locais de trabalhos, entre hospitais e postos de saúde. O Podemos+Saúde com uma composição de representantes dos principais hospitais, como o Grupo Hospitalar Conceição, Hospital de Clínicas, Santa Casa, Cardiologia entre outros, e somados a delegados sindicais e militantes de base garantiram a vitória.

O resultado desta eleição é um sinal de que é possível superar a crise do movimento sindical, através de uma luta contra as direções burocráticas e parasitas do sindicalismo tradicional. A nova geração encarna o espirito das mobilizações de junho de 2013, que como essência negou as velhas direções e exige democracia e combatividade nas suas entidades.

O Podemos+Saúde defendeu a necessidade de um SINDISAÚDE COMBATIVO, COM TRANPARÊNCIA E ORGANIZAÇÃO. A combatividade na defesa dos interesses dos trabalhadores, através de mobilizações contra as demissões, na campanha salarial por salários e por melhores condições de trabalho. A transparência com as receitas do Sindicato, indicando os investimentos na luta e com a proposta de criar um Portal de Transparência. A organização, no sentido de que o sindicato seja um impulsionador dos fóruns da categoria, para que haja participação massiva dos locais de trabalhos. Assim, como a estrutura do Sindicato tenha pleno funcionamento e atendimento.

A vitória nestas eleições tem um sabor especial, pois além de que derrotar a CUT que havia decidido em resolução que era a principal eleição sindical do estado, também a UGT tomou conta da Chapa 2, que contava com 21 membros da Chapa do Hospital de Clínicas e atuaram de forma colaborativa tentando impedir um processo limpo e, através da fraude desrespeitar a decisão da base. As tentativas foram inúmeras, entre elas: impugnação de candidatos, incluindo o candidato a presidente Arlindo Ritter, conflitos em mesa de votação nos dois principais hospitais. Mas, nada disso impediu que mesmo com a impugnação de uma urna, a vitória viesse com uma diferença de 200 votos.

O resultado final da apuração: Chapa 1 – Podemos+Saúde – 1509 votos; Chapa 4 – Resistência e Experiência na Luta (CUT) – 1298 votos; Chapa 2 – 834 votos; Chapa 3 – Oposição Sindical – 821 votos; com a urna 21 do Hospital de Camaquã impugnada com mais de 100 votos, claramente da Chapa 1 Podemos+Saúde.
Arlindo Ritter é o presidente reeleito, militante do PSOL e do Movimento Esquerda Socialista e terá a tarefa, junto com a nova diretoria, no próximo triênio, de conduzir o SINDISAÚDE/RS. Como ele declarou no ato de proclamação do resultado, o “Sindicato será democrático, buscando de maneira sistemática ampliar a participação e mobilização permanente da categoria na defesa de seus interesses”, e convidou a todos que participaram do pleito a se engajarem na campanha salarial na luta contra a patronal.

Sobre o autor

MES

Comente